Vende-se esta Propiedade

VENDE-SE ESTA PROPIEDADE dizia a tabuleta em grafia peculiar. O forasteiro, arrebatado por tanta beleza, bateu palmas no portão já antevendo a possibilidade de fazer um excelente negócio comprando direto de um manezinho. O nativo espiou da janela afastando a cortina colorida e, sem nem perguntar do que se tratava, gritou: _ Vamu entranu, quiridu, vamu entranu!

Conversa vai, conversa vem, o forasteiro sorvendo o café ralo passado indagorinha, perguntou do preço. O mané, coisa e tali e tali coisa, fez que sim, fez que não, por mim e a mulhé non vendia, que o mô bisavô nasceu aqui, que o mô avô nasceu aqui, que o mô pai nasceu aqui, que uj mô filho maj a mulhé nasceru tudo aqui, que, se dependesse da minha pessoa morria aqui, enrolou, enrolou e por fim deu o preço. O forasteiro sabia que valia, mas disse tá salgado. Pois o amigo que faça a sua prepojta.

Proposta feita, o mané disse que não, que é muito pôco, non dá nem pra dividí o preço du’a janela pra cada filho, que além du maj a propiedade é muito boa, que tem o mari na porta de casa, que tá tudo asfartado, que tem a casa toda arreformada, que tem o terrero grande, que tem uj pé de pitanga e uj pé de café, além duj pé de manga que todo ano ficava carregadinh’ carregadinh’. O forasteiro ficou intrigado. Pé de manga? Carregado? Como se manga é fruta de clima quente e aqui no sul é esse frio de cair neve durante o inverno? O mané tascou-lhe:

_ É qui essa é da modalidade “Manga Comprida”. Táj pensanu c’ô sô tanso di prantá da ôtra?

 Vendo que não ia se criar, o forasteiro tratou de fechar o negócio.

  *(a partir de uma tirada do meu amigo Edson)

Anúncios
This entry was posted in Uncategorized and tagged , , , , by Norma Bruno. Bookmark the permalink.

About Norma Bruno

Vivo na Ilha de Santa Catarina desde que nasci. Sou de aquário, portanto já nasci aluada, mas contraditoriamente, não me dou bem com tecnologia e gosto mesmo é de coisa velha. Fiz muitas coisas, deixei para trás outras tantas, tenho muito por fazer. Coleciono cenas urbanas, rendas de bilro e revistas antigas. Escritora amadora em todos os sentidos, invento coisas, conto histórias. Livros publicados: - Prosa, quase Poesia - ou vice-verso - Tempo Editorial. 2015 - Cenas Urbanas e Outras Nem Tanto. Bernúncia Editora. 2012 - A Minha Aldeia Editora Papa-Livros. 2004. - Leia Crônicas da Desterro no site www.carosouvintes.org.br

One thought on “Vende-se esta Propiedade

  1. Maravilhoso. Eu convivo com a esperteza dessa turma aqui em Laguna e sábado ainda, tentamos comprar umas tainhas de um pescador de tarrafa nos molhes da barra. Acabamos rindo um bocado e pagando o preço dele. No fim ele deu uma tainhota de “inhapa”.
    Márcio Rodrigues

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s