Tramas, Enrendamentos e Urdiduras

Foto: Tramóia Intervenção Urbana do artista Thiago Furtado - Valdivaldi nas ruas de Florianópolis

Um velho sábio me contou uma história que diz mais ou menos assim:

A vida de cada um é um punhado de linha que Deus lança ao vento na hora do seu nascimento proferindo as seguintes palavras:

Meu filho, esse é o fio da tua vida. Dependerá de ti fazer dele um novelo, curto ou longo, útil ou inútil, bem-feito ou malfeito. Encontrarás o fio espalhado, envolto em flores e espinhos, embaraçado nos galhos dos arbustos. Dependerá de ti desembaraçá-lo com sabedoria e cautela ou arrebentá-lo com impaciência, se usares a força. Encontrarás arbustos nos quais ele estará enredado de sorte que não poderás desatá-lo. Quanto mais tentares, mais o nó se apertará. Aceita-o. Para seguir adiante, precisarás quebrar o galho e levá-lo contigo. Se o fizeres insensatamente, arrastarás um fardo pesado e a jornada te será amarga e triste. Se o fizeres com sabedoria, cortando a madeira bem rente ao fio, a empreitada te será leve, ainda que tragas um fio cheio de nós cegos, pois algumas coisas independem da tua compreensão e da tua vontade. Agora vai. Ao findar o tempo da tua vida, vem me apresentar o resultado do teu trabalho”.

Enquanto o velho sábio narrava a história, uma imagem me veio à lembrança. Na Rua Menino Deus, na frente da casa da vó Olga, havia um pasto, uma capoeira, onde, pela manhã, ela soltava uma cabrita, recolhendo-a ao anoitecer. A bita ficava lá o dia inteiro presa a uma cordinha comprida, comendo, ruminando, obrando suas bolinhas, berrando, vivendo as rotinas concernentes à sua vida de cabrita. À noite retornava ao seu cercado, na casa. No dia seguinte, voltava para o pasto.

De vez em quando, a bita desandava a berrar – bééé, bééé, bééé – enlouquecida, e a gente tinha que largar a brincadeira para desenlear a infeliz da cabrita, que, no afã de alcançar os brotos verdes do pasto, não se dava conta da sua trajetória labiríntica e ia emaranhando a cordinha nos galhos e arbustos.

O chato é que quanto mais a gente tentava desfazer o emaranhado, mais ela berrava e puxava, de maneira que apertava os nós, e se a gente a desenleava de um lado, ela se enleava num outro e, enquanto isso, berrava. Muitas vezes a solução era quebrar o galho, isso quando dava.

No começo da vida nós somos como aquela cabrita imprudente. Andamos livres ao sabor do vento, ocupados com as descobertas, lidando com as pessoas e com a vida sem maiores cuidados como se o viver fosse um imenso pasto verde sem fim. Sem perceber, vamos nos enredando aqui e ali, esquecidos da recomendação divina. 

O tempo vai passando e de repente a gente descobre, desesperado, que está preso, emaranhado. E quanto mais força se faz, mais amarrado se fica. Então, desandamos a berrar por socorro – bééé, bééé, bééé –, mas ninguém aparece. Bééé, bééé, bééé…, até que se descobre que está, irremediavelmente, sozinho. Percebemos a enrascada, a armadilha, em que nos metemos; ninguém virá nos soltar, desenroscar nossa corda. Nós somos a bita e também os donos da bita. Cabe a nós o trabalho de desenredar o fio, de desatar os nós.

O jeito é parar de berrar, olhar para os lados e para trás tentando descobrir por onde começar, refazer o labirinto sem garantias de qual seja o melhor caminho, aceitar as muitas idas e vindas, perceber os equívocos, os velhos e os novos, dar-se conta dos laços, aceitar os nós cegos, aprender a quebrar o que nos segura, bem rente, para que nos seja leve.

O trabalho é vagaroso, exige paciência, atenção e cuidado. É preciso desenlear o fio e, prudentemente, ir fazendo um novelo, por causa do vento. Alternadamente, desenlear e enovelar, desenlear e enovelar. É demorado, é cansativo, a maioria desiste, alguns prosseguem. Esses, depois de muito trabalho, se vêem, finalmente, livres, mas com um novelo de linha na mão e uma pergunta no coração: _ E agora? O que é que eu faço com isso?

Eu estive pensando… Em vez de enredar, por que não enrendar, fazer renda? No crivo, começa-se o trabalho desfazendo a trama do linho. Depois de imaginar a beleza do desenho, contar e separar os fios, se principia a urdidura. Depois se alinhava o pano, para só então casear. Passa a agulha do avesso para o direito do tecido, dá uma laçada, mais outra, mais outra, ajeita o pano e puxa com delicadeza, mas firme, para ficar bem-feito. Vai acompanhando o desenho até chegar ao resultado. É nos limites do vazio que se constrói a beleza.

Já na renda de almofada, a dificuldade do trabalho depende do pique da renda e da beleza do desenho que se quer fazer: tem a Céu Estrelado e a Roda Estrelada, tem a Renda Bicuda, a Miudeira – também conhecida como Maria-Morena – tem  a Margarida de Coração, a Beijo de Arco, a Favo de Abelha, a Peixinho e a Boca de Sino, a Sapa, a  Barriga de Cobra, a Currupiu, a Roda de Leque, a Jardineira, a  Sobrancelha de Menina, a  Porta de Igreja, a Pingo de Chuva, a  Penca de  Rosas e a Relevo. E também os Pegamentos de Coração, a Viola, a Olho de Boi e a Conchas, além das Estrelas de Cinco, Sete e Nove Pontas.

Também há variação no tipo de ponto, conforme a renda. Pode ser ponto inteiro, ponto corrido, meio ponto, ponto passado, ponto torcido, ponto de trança, perna cheia, pastilha, ponto puxado ou perna esquecida (deve ser aquele que dá para desenlear em caso de necessidade), o ponto pregado (esse deve ser o tal do nó cego), o repuxo e o paninho. Vai fazendo quadro por quadro e depois vai juntando conforme o desejado.

Já na tramóia a renda pode ser feita toda de vereda ou em peças separadas. O desenho da renda tramóia parece com a vida: é um caminho cheio de curvas, um labirinto, só que esse não tem armadilhas, apesar do nome.

Para fazer uma boa renda é preciso uma boa almofada, feita de um saco de algodão, que varia de 29×32 a mais pequena até 100×100 cm a mais grande, preenchido com barba-de-velho, macela ou capim-do-campo. É preciso muito cuidado na escolha da madeira para fazer os bilros; qualquer madeira não serve. Tem que ser de rabo-de-macaco, guaramirim, fruta-de-pomba ou cumbatá, a melhor de todas elas, apesar de ser a mais difícil de entalhar por ser mais dura.

No mais é sonhar com a beleza da renda, ir atrás dos piques, pegar a linha, aprender os pontos, sentar no chão e principiar o trabalho com paciência e capricho. Urdir, laçar, enrendar, viver. E, ao final do seu tempo, prestar conta do novelo de linha que se recebeu, apresentando o trabalho. A vida é tarefa de cada um e é por isso que Deus não se intromete quando a gente erra o ponto e deixa o mundo feio como está.

E quem não quiser desenlear os nós, nem fazer renda, nem tecer e nem urdir? Por mim pode continuar no pasto berrando ou então se conformar e esperar o mato crescer perto da boca quando já não tiver corda para ir adiante. Isso é entre cada um e Deus; pouco se me dá! Mas depois não digam que eu não avisei. De minha parte, prefiro não arriscar. Tô aprendendo a urdir. Desconfio que Nosso Senhor há de gostar da renda Céu Estrelado.

E enquanto enrendo, vou rezando o rezo da bita, que diz assim:

 _ Dai-me corda, Senhor, que o que mais quero é pasto…

 

___________________________

* As referências às rendas, os seus nomes, pontos e instrumentos foram tirados do artigo Rendas e Renderias da Ilha de Santa Catarina, de Doralécio Soares, publicado no Boletim da Comissão Catarinense de Folclore nº 30/31, de agosto de 1978. Os segredos do crivo me foram confiados pela Rita Cidade, uma criveira de mão-cheia.

Anúncios

2 comentários sobre “Tramas, Enrendamentos e Urdiduras

  1. Oi, ta lá?
    Desde o primeiro momento me senti tocado pela crônica, mas deixei prá lá. Hoje passando por ela, a atração foi ainda mais forte. Parei. Li de vagar. Corujei. E concluí: é uma bela reflexão.Traz um som profundo, daquelas profundezas que muitas vezes a agente renega por lá não sei o quê. Agora até penso que seja por medo. Medo não do desconhecido, mas do grandioso, do imenso potencial que cada um temos e que muito pouco usamos.
    Beijo.

    1. Caríssimo Severo!

      Fica tranquilo! Penso que fazes muito bom uso do teu “punhado de linha!” Estás a enrendar de maneira magistral, hás de apresentar um bom trabalho! Tens minha admiração!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s