Brincadeira é Coisa Séria!

Pra gente ser feliz bastava roubar umas panelas da cozinha e uns punhados de cereais da despensa, a tarde seria gloriosa. Brincar de comidinha – de escolinha, escritório, brincar de ser mãe das bonecas ou de controlar um exército de Playmobils em excursão no jardim de casa – era o melhor programa do mundo! Tédio era uma tarde de chuva e de desenhos na TV (mas, não era um dia de todo perdido, pois tinha bolinho de chuva ou banana frita com farofa).

Felicidade era fechar a rua pra jogar taco e correr atrás da bolinha quando ela ia lá beeem longe. Ou então trancar a entrada da garagem do vizinho com a trave – ainda que elas fossem apenas duas pedras ou até duas Havaianas – para a seleção dos “com camisa” desafiar os arquiinimigos “sem camisa” num jogão digno de Copa do Mundo. Uma partidaça que tinha muitos acréscimos, afinal o jogo sempre era interrompido para tocar a campainha do mesmo vizinho: “- Tio, posso entrar pra pegar a bola?”. No dia seguinte a seleção entrava em recesso para exibir habilidades com linha e carretel nas mãos. Quantas vezes a brincadeira não acabou na campainha? “_ Tio, posso entrar pra pegar a pandorga?”.

Em dia de calor, com praia lotada, areia escaldante e mar cheio de gringos, bom mesmo era pegar jacaré ou caprichar no mergulho de “olho aberto!”, um grande feito, bóias de plástico nos braços, transformando as mãos em barbatana de tubarão. Ai, que medo! Quando o calor ficava insuportável, a gente ficava embaixo do guarda-sol brincando com uma bolona colorida ou montando o maior castelo de areia do muuundo ou cavando um buraco beem grande pra chegar até o Japão!

Valia também fazer tortinha de lama, descer a ladeira sentado no papelão, acampar no jardim (ou na sala de visitas), subir em árvore pra comer jabuticaba e goiaba (uma verdadeira bomba no aspecto, digamos, digestivo), descer rolando das dunas, fazer piquenique com as bonecas e os bichinhos de pelúcia, brincar de sorteio, de pegar vareta, soltar a mão da bicicleta (!), fazer roupinha pra Barbie, cheirar a Moranguinho pra ver se acabava o cheiro, dar banho na Xuquinha, grudar a Geleka no tapete pra deixar a mãe da gente maluca, fazer lutinha de Comandos em Ação, acertar o Iôiô da Coca-Cola na cabeça do irmão, fazer a Guigui rir até acabar a pilha, pular corda, pular elástico (bem alto!), pular no Pogobol, ralar nariz, joelho e cotovelo andando de patins, cantar música repetitivas e repetir o disco um milhão de vezes (passarinho quer cantaaaarrr…) ou ter como melhor amigo alguém de cabelo rosa que atende por Feijãozinho ou um simples pato.

Foto: Carlos Roberto Amorim

Na verdade, quando se é criança, brincar pode ser qualquer coisa desde que tenha a ver com se sujar, ficar melado, bagunçado, ralado ou enlameado. Brincar é a melhor coisa que a gente tem pra fazer antes de dobrar de tamanho!

 ASS: Nina

(Maria Carolina Bruno de Assis)

 

 

 

Anúncios
This entry was posted in Uncategorized and tagged , by Norma Bruno. Bookmark the permalink.

About Norma Bruno

Vivo na Ilha de Santa Catarina desde que nasci. Sou de aquário, portanto já nasci aluada, mas contraditoriamente, não me dou bem com tecnologia e gosto mesmo é de coisa velha. Fiz muitas coisas, deixei para trás outras tantas, tenho muito por fazer. Coleciono cenas urbanas, rendas de bilro e revistas antigas. Escritora amadora em todos os sentidos, invento coisas, conto histórias. Livros publicados: - Prosa, quase Poesia - ou vice-verso - Tempo Editorial. 2015 - Cenas Urbanas e Outras Nem Tanto. Bernúncia Editora. 2012 - A Minha Aldeia Editora Papa-Livros. 2004. - Leia Crônicas da Desterro no site www.carosouvintes.org.br

3 thoughts on “Brincadeira é Coisa Séria!

  1. Um caro-de-bois com duas laranjas por rodado e uma junta de bois, dois sabugos de milho, o “Valente” e o “Moreno”, um cabo de vassoura por alazão a galopar pelos pastos, jogar terra no cozinhadinho das meninas, descer a colina de capim molhado sentado em uma cachopa de coqueiro, deitar à noite na grama, de papo pro ar a ver o telão estrelado da imensidão, e, com sorte, uma estrela cadente, filosofando causos e tentando explicar o universo com os amigos, Esses diabos, os meninos, também têm compromissos sérios para dar conta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s