Coberta d’ Alma

Jardim da Paz

Houve um tempo, na Ilha, em que o luto não ficava restrito à família, como nos dias de hoje; ao contrário, o luto envolvia a comunidade toda, especialmente as famílias das casas mais próximas do morto.

O costume determinava que, nas três casas da direita e nas três casas da esquerda à morada do morto e inclusive nela, ninguém podia se servir da água dos potes de barro fosse para beber, cozinhar ou fazer a higiene, porque o morto precisaria de “Sete Águas” para se banhar antes de empreender a derradeira jornada.

Preparado o corpo, colocava-se-lhe uma moeda dentro da boca, sobre os olhos ou entre as mãos cruzadas para que fosse entregue ao Barqueiro como paga pela travessia para a “Outra Margem do Rio”. Passava-se, então, às “Incelênças”, o cântico fúnebre repetido treze vezes a fim de convencer o morto a fazer a travessia.

 “Incelênça que quer pra ele, Mãe de Deus, Ó Mãe de Deus! (1)

Rogai por ele Mãe de Deus”

 

 “Incelênça que quer pra ele Mãe de Deus, Ó Mãe de Deus! (2)

“Incelênça que quer pra ele Mãe de Deus, Ó Mãe de Deus!             

Rogai por ele Mãe de Deus”

 

“Incelênça que quer pra ele Mãe de Deus, Ó Mãe de Deus! (3)

“Incelênça que quer pra ele Mãe de Deus, Ó Mãe de Deus!   

“Incelênça que quer pra ele Mãe de Deus, Ó Mãe de Deus!

           Rogai por ele Mãe de Deus”

 (e assim sucessivamente até completar as 13 repetições)

 Para o sepultamento propriamente dito, enfeitava-se o carro de boi que conduziria o ataúde até o campo santo acompanhado a pé pelos vizinhos e a comunidade, mas não pela família. Esta cumpria o luto em total reclusão por sete dias: janelas cerradas cobertas pelo caritó, o simbólico pano preto que adornava também, como faixa, a manga esquerda ou o debrum do bolso da camisa nos homens e o corpo inteiro nas mulheres, na obrigação de guardar luto fechado por um ano, no mínimo.

Decorriam, então, sete dias sem varrer a casa, sem ir à pesca, sem ir à roça, sem dar trato aos animais, sem amassar o pão e nem tomar banho. Nesse período a família enlutada era cuidada e alimentada pelos vizinhos próximos que também proviam a sua substituição nas tarefas diárias. 

 Cumpridos os “Sete Dias de Nojo”, uma expressão que se usa até hoje, a família finalmente  saía para a reza ou para a missa, conforme se dispusesse ou não da presença de um padre. Na maioria das vilas isso era um luxo. Por isso se apelava a Nossa Senhora para chegar ao coração de Deus. Na cerimônia de exaltação ao morto, era apresentada a pessoa que vestia a Coberta D’Alma do falecido, o que consistia em vestir uma roupa do morto para dar-lhe materialidade e representá-lo durante as homenagens.

Para vestir sua Coberta D’Alma a pessoa elegia alguém já em vida, em geral o amigo mais chegado. Ser escolhido era sinal de grande apreço e considerado uma grande honraria. Após a cerimônia todos compartilhavam de uma refeição onde as homenagens tinham continuidade.

Ao final, aquele que recebera a distinção ganhava a roupa que usava, – muitas vezes a única herança deixada pelo morto -, o que era bem vindo num tempo em que as roupas custavam caro, mormente para os desvalidos da sorte. Nem sempre o “fato” caía bem, às vezes ficava apertado, às vezes ficava folgado, pois o falecido era mais alto, mais baixo, ou mais gordo. Vem daí o chiste: “O defunto era maior!”.

A encarnação se repetiria a cada ano no aniversário de nascimento do falecido. Nesse dia, o herdeiro da roupa incorporava o finado novamente, propiciando o estreitamento entre o mundo dos vivos e o mundo dos desencarnados. Assim rezava a tradição.

Quem tu escolherias para vestir tua Coberta d’ Alma?

 

 * inspirado nos relatos de Gelci Coelho, o Peninha.

Anúncios
This entry was posted in Uncategorized and tagged , , , by Norma Bruno. Bookmark the permalink.

About Norma Bruno

Vivo na Ilha de Santa Catarina desde que nasci. Sou de aquário, portanto já nasci aluada, mas contraditoriamente, não me dou bem com tecnologia e gosto mesmo é de coisa velha. Fiz muitas coisas, deixei para trás outras tantas, tenho muito por fazer. Coleciono cenas urbanas, rendas de bilro e revistas antigas. Escritora amadora em todos os sentidos, invento coisas, conto histórias. Livros publicados: - Prosa, quase Poesia - ou vice-verso - Tempo Editorial. 2015 - Cenas Urbanas e Outras Nem Tanto. Bernúncia Editora. 2012 - A Minha Aldeia Editora Papa-Livros. 2004. - Leia Crônicas da Desterro no site www.carosouvintes.org.br

One thought on “Coberta d’ Alma

  1. Cara escritora Norma: é muito bom ter alguém que nos traga em texto essas tradições. Você é poeta, pesquisadora e principalmente uma guardiã dos conhecimentos que não podemos perder de vista. Gosto imensamente de ler matérias assim que fazem esta ponte com nossas avós e as gentes que nos precederam. O que sinto é que você faz isto com muito carinho e zelo. Hoje sendo o dia consagrado aos mortos adorei vir até aqui para sentir bem pertinho o amor dessa gente que fez a travessia, que aqui deixou saudades. Linda a sua homenagem, lindo texto. Parabéns a você e ao Gelcy, seu querido amigo historiador! Bj da Fatima Barreto Michels / Laguna/SC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s