As Mentiras Que Ouço Por Aí…

Praça Vidal Ramos no centro de Laguna, SC

– Ô Santina! Se o (fulano) perguntá por mim, diz que não me viu. Depois te explico! Disse o homem, ao celular, entrando no ônibus. Pelo visto, a mulher insistiu, mas ele foi taxativo: – Depois te explico! O que se esconderia atrás daquela recomendação? Seria o “fulano” o patrão investigando o motivo da falta ao trabalho?  Um credor no esforço para receber o prometido? Um amigo querendo pedir algum emprestado?

É mais que sabido que o ser humano mente. Mente para tirar proveito, para fugir de constrangimento, para se livrar de responsabilidade. Há também um tipo de mentira não só aceito, mas até incentivado, a mentira social, em que todos os envolvidos sabem que o que se diz é mentira, mas fazem um pacto em nome da boa convivência.

Tirando os políticos, não conheci ninguém que mentisse tão descaradamente quanto minha tia Narair, a tia Dedé. Dona de uma beleza rara quando jovem, digna das estrelas de cinema, envelheceu precocemente em razão das vicissitudes da vida, que a vida é assim, cada um tem seu fardo para carregar, e, aos quarenta anos, tinha o rosto completamente enrugado, aparentando ser muito mais velha do que era na realidade. Mas, ao contrário das outras mulheres, mentia a idade para mais, aquela gozadora. Acrescentou vinte anos à sua idade real, de maneira que, aos quarenta anos, tinha sessenta. Aos cinquenta, tinha setenta. Mentia com tanta convicção que até as pessoas da família acreditavam.

Esperta ela: em vez de comiseração, recebia rasgados elogios à sua saúde e à disposição que demonstrava, subindo e descendo a rua onde morava, carregada de sacolas. Ao chegar em casa, ligava o rádio, acendia um cigarro, abria uma cerveja, saía dançando e gargalhando. Uma figura.

Pois dia desses viajei a Laguna, no sul do Estado e presenciei mais uma. Saí cedinho, pois queria dar um bordejo pela cidade, sentar num banco daquela praça tão bonitinha e observar as pessoas, rever o casario, lugares que eu não via desde a adolescência.

A viagem foi tranquila, apesar da chuva, o ônibus praticamente vazio, a maioria das pessoas com o banco inteirinho para si. Bem na frente, paralelo à minha poltrona, um moço, trinta e poucos anos, cabelo preso num rabo de cavalo, cara de quem faz pós-graduação, retornando para casa.  Como sei? Não sei; desconfio, pois além do jeitão de professor universitário, passou todo o tempo lendo um pequeno livro com aqueles selos e inscrições típicos de biblioteca. Fiquei curiosa para descobrir o título, mas não deu, as letras quase apagadas na capa desgastada de livro velho. O celular tocou interrompendo meu cochilo e a leitura dele. O moço atendeu: – Oi!… Tudo bem. Desculpa, mas não posso falar contigo agora. Estou dirigindo! E retomou a leitura. Eu virei o rosto, me rindo.

* Foto: Maria de Fátima Barreto Michels, a Fátima de Laguna

Anúncios
This entry was posted in Uncategorized and tagged , by Norma Bruno. Bookmark the permalink.

About Norma Bruno

Vivo na Ilha de Santa Catarina desde que nasci. Sou de aquário, portanto já nasci aluada, mas contraditoriamente, não me dou bem com tecnologia e gosto mesmo é de coisa velha. Fiz muitas coisas, deixei para trás outras tantas, tenho muito por fazer. Coleciono cenas urbanas, rendas de bilro e revistas antigas. Escritora amadora em todos os sentidos, invento coisas, conto histórias. Livros publicados: - Prosa, quase Poesia - ou vice-verso - Tempo Editorial. 2015 - Cenas Urbanas e Outras Nem Tanto. Bernúncia Editora. 2012 - A Minha Aldeia Editora Papa-Livros. 2004. - Leia Crônicas da Desterro no site www.carosouvintes.org.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s