A Cidade Estarrecida

Diante das últimas notícias, eu me pergunto: onde estávamos nós enquanto a violência germinava em nosso chão? Onde estão agora as lideranças que se prontificaram a governar a Cidade, e o Estado, que se dispuseram a zelar pela segurança e a paz dos cidadãos? Em campanha, todos, sem exceção, apresentam-se como conhecedores dos problemas de Florianópolis, e de Santa Catarina, qualificados e determinados a gerenciá-los. Mas o que vimos nos últimos dias foi um desfile de “autoridades” com o olhar atônito e um repertório de soluções paliativas e respostas vagas, demonstrando total despreparo e incompetência para lidar com a realidade. Inacreditável que esteja acontecendo em Florianópolis, bela, hospitaleira, minha cidade, minha aldeia, mas é a mais pura verdade: a ordem para a suspensão do estado de terror foi decisão daqueles que o decretaram.

Diante disso, penso que deveríamos, como cidadãos, exigir do novo prefeito, dos vereadores, os novos e os reeleitos e, ainda que tardiamente, também do governador, que assumam o compromisso gravado pela Juventude Ateniense:

“Nunca traremos desgraça para a nossa Cidade, por nenhum ato de desonestidade ou covardia, nem jamais abandonaremos nossos companheiros sofredores. Lutaremos pelos ideais e pelas coisas sagradas da Cidade, isoladamente ou em conjunto. Respeitaremos e obedeceremos às leis da Cidade e tudo faremos para despertar respeito e reverência naqueles que, estando acima de nós, inclinam-se a reduzi-las a nada. Lutaremos incessantemente para estimular a consciência do cidadão pelo dever urbano. Assim, por todos esses meios, transmitiremos essa Cidade, não menor, porém maior, melhor e ainda mais bela do que nos foi transmitida”.

Quantos de nossos governantes teriam coragem de assumir o compromisso? Quantos são capazes de cumpri-lo?

Norma Bruno

* (citado por Patrick Geddes em seu livro Cidades em Evolução).

.

.

Anúncios
This entry was posted in Uncategorized and tagged , , by Norma Bruno. Bookmark the permalink.

About Norma Bruno

Vivo na Ilha de Santa Catarina desde que nasci. Sou de aquário, portanto já nasci aluada, mas contraditoriamente, não me dou bem com tecnologia e gosto mesmo é de coisa velha. Fiz muitas coisas, deixei para trás outras tantas, tenho muito por fazer. Coleciono cenas urbanas, rendas de bilro e revistas antigas. Escritora amadora em todos os sentidos, invento coisas, conto histórias. Livros publicados: - Prosa, quase Poesia - ou vice-verso - Tempo Editorial. 2015 - Cenas Urbanas e Outras Nem Tanto. Bernúncia Editora. 2012 - A Minha Aldeia Editora Papa-Livros. 2004. - Leia Crônicas da Desterro no site www.carosouvintes.org.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s