Ônibus, carro, barco, bicicleta: está faltando alguma coisa nesta lista.

Calçadas Trindade 01

Quando se pensa a mobilidade urbana em Florianópolis a discussão se perde entre as suas reconhecidas causas e as tão manjadas soluções: ciclofaixas eficazes, implantação do transporte marítimo, aumento das linhas de ônibus urbanos, o barateamento do preço das passagens. Está faltando alguma coisa nesta lista. Está faltando o pedestre, “usuário” do modal mais antigo, mais barato, mais ecológico e eficaz que existe.

Pesquisa recente aponta as distâncias caminhadas num único dia, nos diversos países. Segundo a pesquisa, os franceses andam, em média, seis quilômetros por dia, enquanto o brasileiro menos de dois. O objetivo não é quantificar as caminhadas empreendidas com objetivo de emagrecer, de baixar o colesterol ou de melhorar o ritmo cardíaco. A questão é: em que medida as pessoas utilizam a caminhada como meio de locomoção nas suas demandas diárias? Para resolver minhas coisas, em geral ando de ônibus, “vou de táxi” ou caminhando. Mas, vamos ser sinceros, dá para caminhar nas calçadas de Florianópolis?

Nossas calçadas são estreitas, irregulares, fora de padrão e, sobretudo, esburacadas. Muitas são obstruídas por avanços arquitetônicos e servem, geralmente, como área de estacionamento dos prédios e casas comerciais. Se andar de salto alto é praticamente impossível, o que dizer em relação a cadeiras de rodas e carrinhos de bebê? Deficientes visuais são duplamente penalizados, pois além das calçadas intransitáveis, existem postes instalados sobre as guias.

Sugiro ao Prefeito que empreenda um esforço pela recuperação das calçadas da cidade, notificando os responsáveis, junto com uma boa campanha publicitária incentivando as pessoas a se deslocarem a pé nas pequenas distâncias.

Antigas construções receberiam orientação para reverter ou minorar os danos, já as novas seriam obrigatoriamente enquadradas. E o óbvio: áreas de estacionamento devem ser contempladas no projeto, dentro do terreno do empreendimento, não podem ser usurpadas do espaço público, penalizando os cidadãos. Para os reincidentes, multas educativas.  Precisamos, urgentemente, incluir as calçadas na discussão da mobilidade. Embelezar os caminhos, ajardinando os canteiros, seria uma boa ideia.

E por falar em Calçadas…

http://www.mobilize.org.br/noticias/8049/calcada-precisa-de-projeto.html

Anúncios
This entry was posted in Uncategorized and tagged , , , by Norma Bruno. Bookmark the permalink.

About Norma Bruno

Vivo na Ilha de Santa Catarina desde que nasci. Sou de aquário, portanto já nasci aluada, mas contraditoriamente, não me dou bem com tecnologia e gosto mesmo é de coisa velha. Fiz muitas coisas, deixei para trás outras tantas, tenho muito por fazer. Coleciono cenas urbanas, rendas de bilro e revistas antigas. Escritora amadora em todos os sentidos, invento coisas, conto histórias. Livros publicados: - Prosa, quase Poesia - ou vice-verso - Tempo Editorial. 2015 - Cenas Urbanas e Outras Nem Tanto. Bernúncia Editora. 2012 - A Minha Aldeia Editora Papa-Livros. 2004. - Leia Crônicas da Desterro no site www.carosouvintes.org.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s