Miramar, Presença

Em 2004 os jornais dedicavam um bom espaço aos problemas da Ponte Hercílio Luz – sua decadência, o altíssimo preço da restauração e a sua inutilidade na solução dos problemas viários de Florianópolis. Havia quem defendesse abertamente a demolição, alguns colunistas falavam em “substituição” e muitas pessoas pronunciavam-se nas colunas de opinião.

Certo leitor apresentou uma solução surreal: “A agonia da Hercílio Luz (…) poderia ser resolvida se uma nova ponte fosse construída no local, mantendo-se sobre a nova o ornamento visual que ora ostenta a antiga. Ajudaria a desafogar o trânsito e manter-se-ia o ‘cartão-postal’. Saudações!”.(DC, ed. 10/08/2004, p.39).

Barbaridades do gênero me fizeram retroceder até a década de 1970. O assunto naquele momento era o Miramar, mas o discurso era o mesmo: obsolência e inutilidade do “equipamento”, necessidade de desenvolver a Cidade, etc, etc. Em favor da destruição, apelava-se para argumentos tão contundentes quão equivocados:

Existem dois tipos de patrimônios na concepção dos técnicos no assunto: o patrimônio histórico, de valor indiscutível e o chamado ‘ patrimônio histérico’, defendido por aqueles que querem a todo custo que tudo o que é velho seja conservado”. (Paulo Rocha, Box: O Estado, ed. 11 de outubro de 1974). 

E aquele que, de tão primoroso, tornou-se emblemático:

“Uma cidade não tem o direito de ser somente patrimônio histórico”. (O Estado, 15 de junho de 1974, p. 11 Construtora A Gonzaga. Publicidade).

Movida pela paixão e temerosa de ver a tragédia se repetir, apresentei um projeto ao Programa de Mestrado em História da Universidade Federal de Santa Catarina, intitulado Miramar In Memoriam, sobre a sobrevivência do Miramar no imaginário da Cidade. O projeto não foi aceito. Confesso que fiquei frustrada, por motivos óbvios, mas também aliviada porque, livre das balizas e dos rigores da liturgia acadêmica eu poderia, enfim, falar do Velho Trapiche com o coração cheio de afetividade e poesia. Decidi transformar o projeto em livro.

Comemorando os oitenta e cinco anos da sua inauguração (28/09/1928) e às portas do aniversário de quarenta anos da sua demolição ocorrida em 24/10/1974, o Miramar segue como a mais sentida dentre as inúmeras e irrecuperáveis perdas do patrimônio arquitetônico de Florianópolis. Dez anos depois, o desejo de contar aquela história voltou.

Há quatro meses retomei a pesquisa de maneira regular e, no momento, estou imersa num mar de jornais velhos repletos de ácaros e boas histórias. A abordagem mudou, a proposta foi ampliada. Em vez da história do Miramar, estou em busca das “estórias” das pessoas, anônimas (ou não), das coisas comezinhas e peculiares do cotidiano, pequenas peças que, reunidas, ajudem a compor o retrato de Florianópolis num tempo em que as luzes do Velho Pavilhão desenhavam sua elegante silhueta nas águas da Baía Sul, tendo por moldura o belíssimo entardecer da Cidade.

Se o poderoso Nosso Senhor Jesus dos Passos ajudar, desejo lançar o livro em 24 de outubro de 2014,  dia exato  do seu “tombamento”, numa bela festa que reúna todas as pessoas que amaram e amam o Miramar para, como bem disse meu querido amigo Antunes Severo, “desbrindar” à sua demolição e celebrar a Memória da Cidade.

Ass: Norma Bruno

Florianópolis, 24/10/2013

(a 365 dias do prazo)

Foto do interior do Bar Miramar., captada do memorial Miramar. Autor desconhecido.
Foto do interior do Bar Miramar., captada do memorial Miramar. Autor desconhecido.

 

 

 

Anúncios

2 comentários sobre “Miramar, Presença

  1. Querido Márcio! Tens razão em cada linha. A pesquisa está revelando novas preciosidades sobre esta Ilha que amamos tanto! De vez em quando topo com alguma notinha sobre a nossa amada Laguna. Pretendo postá-las em breve. Abraço daqui!

  2. Márccio

    Querida Norma, que bom que você reapareceu.
    O Fantasma do Miramar atormentará sempre o povo Florianopolitano, assim como o palacete dos Souza em Laguna, atormentará o Banco do Brasil. Pessoas sem história (pessoal ou coletiva), sem lembranças, vagam pelo tempo sem referência nem mapas e certamente enlouquecem. Porque crianças de sucesso, vivendo na Europa em famílias abastadas, tendo tudo ao alcance da mão, andam por aí desesperadas à procura dos verdadeiros pais? O que lhes falta, que vazio cruel é esse em suas vidas?
    Destruam a “Ponte” e as gerações do futuro destruirão a Conceição, O Cambirella, a Catedral, o Colégio Catarinense, pois não terao aprendido a valorizar seus tesouros herdados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s