A Cidade Nasceu na Praça XV

 Centenária Figueira da Praça XV


Centenária Figueira da Praça XV

A Cidade nasceu na Praça, num tempo em que a área não passava de um descampado entre uma pequena colina e o mar. Ali o bandeirante marcou e fixou o “Lugar do Início” e fez construir, à força de “pedra e cal” (Pauli, 1987:15), uma ermida em honra e glória de Nossa Senhora do Desterro e, como de praxe, o Pelourinho.  De um lado o marco da autoridade da fé cristã; do outro, o marco da autoridade política. O povoado cresceu seguindo “um modelo urbanístico das cidades renascentistas: praça retangular, ruas retas e uma igreja ocupando um lugar central” (Coradini, 1995:16), ali instalada as construções costumeiras.

A Praça recebeu outros nomes antes do atual.  Entre 1885 e 1887 foi ajardinada com árvores nativas e plantas exóticas. Com o tempo, já implantado o Jardim Oliveira Belo, passou a abrigar as hermas de diversos homens ilustres como Jerônimo Coelho, Victor Meirelles, José Boiteux e Cruz e Sousa, recentemente roubadas por moradores de rua, segundo consta. Muitas delas foram erguidas com recursos provenientes de doações dos cidadãos, conforme os jornais da época.

Mudou a Praça e também a denominação da cidade. Pela lei nº 111 de 1º de outubro de 1894, a Cidade passou a homenagear Floriano Peixoto, o Marechal de Ferro, presidente da nascente República do Brasil, uma iniciativa até hoje polêmica entre as famílias ilhoas. A razão da controvérsia é o fuzilamento de 185 prisioneiros resistentes a Floriano ocorrido naquele mesmo ano na Fortaleza de Anhatomirim sob o patrocínio do general Moreira César, segundo Oswaldo Rodrigues Cabral (1970:274-277).

Do antigo descampado que inspirou Dias Velho à atual configuração, a Praça foi cenário de passeios dominicais das famílias abonadas da província, de ingênuos romances e de outros nem tanto. Em suas adjacências, funcionou um mercado de víveres. Por ali transitavam “pombeiros, quitandeiros, quituteiras” (Coradini, 1995:49), vindos do interior da Ilha, do Continente ou das áreas vizinhas. Entre as décadas de 1970 e 1980, virou local da “Feira Hippie”, onde jovens oriundos de outras cidades e países vendiam artesanato e propagavam seu estilo de vida alternativo. Palco de comícios e conchavos políticos no passado, transformou-se em “praça de guerra” em 1979, durante um protesto de estudantes contra a ditadura militar, num episódio que se inscreveu na história do Brasil como Novembrada.

Hoje, sobre o piso de petit pavê onde em 1965 o artista Hassis retratou cenas cotidianas e tradições da cultura local transitam estudantes e executivos apressados, volteiam turistas ao redor da Figueira revivendo uma tradição inventada por algum gozador ou um guia turístico mais criativo, vagam prostitutas e garotos de programa, bradam missionários para salvar os pecadores e descansam aposentados, refestelados sobre bancos de concreto ou ao redor de prosaicas mesinhas de dominó.

Ao longe, pode-se ouvir os acordes nervosos do blues tirados de uma guitarra pelo homem magro e loiro que, instalado próximo ao velho Coreto, digladia com aquele que prega o fim dos tempos e, em vez de agradecer o trocados que atiro na caixa do instrumento, brada – Eu não quero o seu dinheiro, Man! O dinheiro corrompe o Mundo. Eu não me corrompo, a Música me salva!,  enquanto guarda o dinheiro. A perfomance valeu, foi bem paga.  

Anúncios
This entry was posted in Uncategorized and tagged , by Norma Bruno. Bookmark the permalink.

About Norma Bruno

Vivo na Ilha de Santa Catarina desde que nasci. Sou de aquário, portanto já nasci aluada, mas contraditoriamente, não me dou bem com tecnologia e gosto mesmo é de coisa velha. Fiz muitas coisas, deixei para trás outras tantas, tenho muito por fazer. Coleciono cenas urbanas, rendas de bilro e revistas antigas. Escritora amadora em todos os sentidos, invento coisas, conto histórias. Livros publicados: - Prosa, quase Poesia - ou vice-verso - Tempo Editorial. 2015 - Cenas Urbanas e Outras Nem Tanto. Bernúncia Editora. 2012 - A Minha Aldeia Editora Papa-Livros. 2004. - Leia Crônicas da Desterro no site www.carosouvintes.org.br

2 thoughts on “A Cidade Nasceu na Praça XV

    • Obrigada, Alexandre! Que responsabilidade essa minha!
      Acho melhor vir conhecer a Cidade pessoalmente, pois Florianópolis não cabe em palavras.
      Um forte abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s