Sobre Portas e Bagagens

A porta é todo um cosmos do Entreaberto. É no mínimo uma imagem-princeps dele, a própria origem de um devaneio onde“…

aportaremos

com nossas bagagens

imaginárias, intransferíveis

porta-bandeiras sonhadas

borboleteando além

das comportas contingenciais…

descansaremos compartilhando

portos de ternura bem simples

sem palavras desalmadas

aportaremos…

– Clarice Villac
16.07.2015,
para foto e arte de Valdivaldi  & texto de Gaston Bachelard, publicado por Norma Bruno em post anterior.

tramoia-4-streetart-floripa-valdi-648x1024

Especialmente para Clarice VillacGraffiti de Valdivaldi sobre os boeiros de Florianópolis. Foto do artista.

Anúncios
This entry was posted in Uncategorized and tagged , , , by Norma Bruno. Bookmark the permalink.

About Norma Bruno

Vivo na Ilha de Santa Catarina desde que nasci. Sou de aquário, portanto já nasci aluada, mas contraditoriamente, não me dou bem com tecnologia e gosto mesmo é de coisa velha. Fiz muitas coisas, deixei para trás outras tantas, tenho muito por fazer. Coleciono cenas urbanas, rendas de bilro e revistas antigas. Escritora amadora em todos os sentidos, invento coisas, conto histórias. Livros publicados: - Prosa, quase Poesia - ou vice-verso - Tempo Editorial. 2015 - Cenas Urbanas e Outras Nem Tanto. Bernúncia Editora. 2012 - A Minha Aldeia Editora Papa-Livros. 2004. - Leia Crônicas da Desterro no site www.carosouvintes.org.br

5 thoughts on “Sobre Portas e Bagagens

  1. onde estiverem Norma Bruno, Clarice Villac e Valdi Valdi estará uma criação da sensibilidade

    • De minha parte agradeço, querida Fátima Barreto. Clarice e Valdi realmente dão uma boa mistura. Que tal enviar algum texto teu? Ainda tenho algumas mandalas de renda do Valdi reservadas aqui… Que me dizes? Hein? Hein?

  2. A propósito, desde o final dos 70 e início dos 80 que aprecio Gaston Bachelard…
    Nessa época, adquiri um exemplar em edição portuguesa do seu livro “A Psicanálise do Fogo”.
    O livro veio com várias páginas sem corte, é uma edição quase de bolso (digamos, pra bolso de sobretudo…), e eu ia abrindo de uma em uma, com uma espátula de abrir cartas que tenho desde menina… Deixava uma vela acesa, um incenso também, e ia lendo de modo salteado, e assim a leitura era sempre única… belo livro, tenho até agora…

    • Abrindo “portas” no livro com estilete. Viajei aqui…Viajo muito lendo Bachelard. Vou procurar esse livro. Obrigada pela sugestão, Clarice.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s