Calçadas

Lisboa Arcos

Voei e
evitei – não este
verbo, não esta
arte de
liberdade –

Meu peito selvagem
levou-me acima
do marasmo das brisas
sonolentas do Equador
Desejei uma terra anciã
para fortalecer,
acariciar a ansiedade

tornando perdidas as gotas
de sangue da indecisão que ardem
na fome –
alimentei-me com
a mais livre queda
do peito

Regalo-me nas
calçadas brilhantes de Lisboa,
no seu rio de setembro,
nos arcos que me protegem
da indecisão

– Protejam-me da indecisão –

Elevo-me,
imagino e pinto
os ventos que
levam ao Norte

Quatro voltas
atrasado, o artifício confessa,
estas florestas sulistas
descansam no passado
de sua flor primaveril
enquanto degusto
este sopro de calor
do ultimo verão.

Arthus Mehanna
Lisboa, Portugal
30/10/2010

Foto: Arcadas de Lisboa – Norma Bruno

Setembro de 2016

Anúncios
This entry was posted in Uncategorized and tagged , by Norma Bruno. Bookmark the permalink.

About Norma Bruno

Vivo na Ilha de Santa Catarina desde que nasci. Sou de aquário, portanto já nasci aluada, mas contraditoriamente, não me dou bem com tecnologia e gosto mesmo é de coisa velha. Fiz muitas coisas, deixei para trás outras tantas, tenho muito por fazer. Coleciono cenas urbanas, rendas de bilro e revistas antigas. Escritora amadora em todos os sentidos, invento coisas, conto histórias. Livros publicados: - Prosa, quase Poesia - ou vice-verso - Tempo Editorial. 2015 - Cenas Urbanas e Outras Nem Tanto. Bernúncia Editora. 2012 - A Minha Aldeia Editora Papa-Livros. 2004. - Leia Crônicas da Desterro no site www.carosouvintes.org.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s