Causa Mortis

Poesia de Gaveta

Toda criança é literária. Lembro de mim, dos filhos, vejo o neto. Todo adolescente é poeta. Basta apaixonar-se por primeira vez que o poeta acorda e o jovem fica repentinamente dado ao devaneio, propenso a pores do Sol, à música e à Poesia. Em um ponto impreciso entre a mocidade e a vida adulta, no entretanto, alguma coisa acontece e o índice de poetas cai vertiginosamente na população ativa.  Em nome do bom senso, da normalidade ou do Produto Interno Bruto, o que for, poemas são abandonados em gavetas entulhadas, livros empoeirados e bolsos de antigos paletós. Os poetas são então caçados, marcados a ferro e encarcerados. _ Mais seguro, dizem.

Alguns ainda se rebelam e, de quando em quando, provocam estranhas reações a furtivas lembranças, músicas e lugares com os parcos recursos de que dispõem: inexplicáveis lágrimas, crises de taquicardia e súbitos arrepios corporais.  Pessoas prudentes reagem e passam a evitar correntes de ar, tomam um antigripal, marcam hora no cardiologista.

Aos poucos as vozes internas aquietam-se e os poetas caminham resignados para os desvãos da alma. Por fim, atam-se a si mesmos aos ferros. A maioria morre de inanição. Outros cometem suicídio. Poucos sobrevivem. Desses, raros ousam rebelar-se na maturidade e, tomados de urgência, desandam a serrar grades com os dentes e a cavar túneis com as mãos na ânsia de ar e de luz.

Por isso, às vezes, no silencioso vagar da noite mais longa e obscura, ouve-se um grito ensurdecedor: – Ahh!  Um poeta está liberto. Mais um.

 

Aos poetas de gaveta

De coração

Norma Bruno

 

*Imagem capturada na Internet

Anúncios

Ponto de Fuga

Foge pela fresta que te resta

E faz do teu norte o vento mais forte.

 

Não temas a força do vento.

Melhor temer o teu próprio medo.

Impõe o desejo ao pensamento. Não pensa.

Apenas abre tuas asas e voa.

plano-de-fuga

Do livro Prosa Quase Poesia e vice-verso. Tempo Editorial. 2015

Imagem capturada no perfil de Kovács Jocó no Facebook. Autor desconhecido.