O Cheiro da Morte

Vi muita gente morrer. Meu pai, minha mãe, inclusive. A Morte tem cheiro. Não estou falando de corpos em decomposição. Estou falando da Morte. A Morte. Quando chega, a Morte exala o seu peculiar perfume. É cheiro de bicho. Acreditem-me!

Victor_Meirelles_-_A_morta

 

*(já que a Fátima Barreto tocou no assunto)

**Imagem: A Morta de Victor Meirelles

Anúncios

O Dia do Fim do Mundo

fim-do-mundo

Ele: – Alô! Te acordei?

Ela: – Não. Não estou conseguindo dormir…

Ele: – Diz que o Mundo vai acabar amanhã… Hoje…

Ela: – É. Diz que sim.

Ele: – Queria te dizer uma coisa…

Ela: – E se o Mundo não acabar?

Ele: – Não sei…

 

 

* Imagem capturada na Internet. Desconheço a autoria

Horizonte – Um Ponto Final no Mar

A visão que tenho do ponto final do mar
Na distância que não posso medir
É a noção que tenho do horizonteMesmo não sabendo o que lá existe
Fixo o meu olhar em um ponto distante
Na esperança de ver o que há de vir

Meu horizonte é todo feito de mar
De velas ao longe
De barcos e portos que não conheço

Meu horizonte é repleto de lonjuras
De viagens que se demoram
De desejos de chegada

Meu horizonte é ponto de saudade na distância
É o encontro de todos os oceanos
É porto de chegada de todos os navegantes

Meu horizonte é feito do desejo
De navegar na direção de um lugar
Guardado no outro lado do mar

Roney Prazeres

Ilha de Santa Catarina
Setembro2017

Foto Morro das Pedras Roney Prazeres

Foto: Roney Prazeres. Local: Morro das Pedras. Sul da Ilha de Santa Catarina

Banzo

_MG_0497

De súbito, um improvável cheiro de maresia invade a caixa de concreto que me acondiciona. Dada a banzos, minha alma pede: – MAR! MAR!

*inspirada no belo poema de Roney Prazeres que postarei a seguir

 

 *o moço bonito é meu. Eu que fiz. Dado a banzos também!

Na Antessala da Câmara do Carma

Divina Comédia

O que queres para a tua próxima vida,  querida Filha?

Quero ser mãe de muitos filhos.  Quero ser mãe do meu pai, da minha mãe, dos meus irmãos e dos meus filhos da última encarnação. E, se não for pedir muito, quero ser avó do João Antônio de novo também, Senhor!

– O que mais?

– Quero ser ruiva natural. Tô negociando o olho azul e encaro fácil um metro e cinquenta arredondando de novo. 

– Olho azul e cabelo ruivo estão no pacote, Filha!

– Gostaria muito de saber cantar e de tocar piano.

– Mais alguma coisa?

– Quero gostar e ser gostada. Pela mesma pessoa e ao mesmo tempo. E nem precisa ser “para sempre”.

– Ou uma coisa ou outra.

– Gostar, então.

– Mas de novo, Filha? Não queres pensar melhor?

– Não, Senhor Deus! (Enquanto um suspiro me sobe das entranhas).

– Muito bem. Livre arbítrio. Segue em frente até a porta com a inscrição “Condenados”.  Já conheces o caminho.